Autor Tópico: Hidrogenio (fuel cells) será o combustivel do futuro??  (Lida 1085 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Sls a GPL

  • Moderadores
  • 1.6 V6 Turbo Energy F1
  • *
  • Utilizador: sls
  • Mensagens: 12990
  • Garagem : Renault Clio II 1.2 16v
Hidrogenio (fuel cells) será o combustivel do futuro??
« em: 27 de Janeiro de 2017, 13:50 pm »
Hoje em dia muito se fala sobre o ambiente e o impacto que os automóveis têm no meio ambiente. O recente escândalo dos motores diesel veio acelerar a procura de alternativas ao petróleo.

Começa-se a ouvir falar mais nos carros eléctricos baseados em baterias, que são carregadas através da rede eléctrica convencional  onde a industria automóvel está a investir fortemente, mas há uma questão que se deve colocar.
Porque investir numa tecnologia que há partida está obsoleta???

Sim, obsoleta, porque é necessário parar o veiculo para carregar as baterias, e por muito que as baterias evoluam, irão precisar sempre de recarregar, terão sempre uma autonomia limitada, e com o tempo irão perder qualidades e terão sempre um custo muito elevado.
Obsoleta porque existe uma alternativa mais eficiente, à cerca de 10 anos, mas pouco ou nada se tem ouvido falar dela, principalmente em Portugal.
Essa tecnologia, baseia-se no hidrogénio, as fuel cells, com uma autonomia igual aos combustíveis normais, facilmente se abastece, cerca de 3 minutos, ultrapassando assim os problemas de mobilidade que os sistemas eléctricos a bateria têm.

Em Portugal ainda é uma miragem, mas em França, Alemanha e outros países já é uma realidade. O  custo ainda é elevado, cerca de 10€/100km, mas é um combustível ilimitado e não poluente, apesar de poder ter ainda algum peso na poluição para a sua obtenção. Contudo é extremamente inflamável, se já há receio com o gpl, com o hidrogénio poderão haver receios semelhantes que podem por em causa a sua utilização. Alguns modelos já comercializados têm sensores que detectam a presença de hidrogénio.

Se já há uma alternativa mais viável que as simples baterias, porque não investir nesta tecnologia? Que razões levam os construtores a apostarem numa solução que não tem pernas para andar?

A seguir vou colocar alguma da informação que está disponível sobre esta tecnologia.


http://americanhistory.si.edu/fuelcells/basics.htm Traduzido pelo google


Princípios básicos das pilhas de combustível

Através deste site estamos buscando materiais históricos relacionados a células de combustível. Construímos o site para coletar informações de pessoas já familiarizadas com a tecnologia - pessoas como inventores, pesquisadores, fabricantes, eletricistas e profissionais de marketing. Esta seção de Basics apresenta uma visão geral das células de combustível para visitantes ocasionais.

O que é uma célula de combustível?

Uma célula de combustível é um dispositivo que gera eletricidade por uma reação química. Cada célula de combustível tem dois eletrodos, um positivo e um negativo, chamado, respectivamente, o ânodo eo cátodo. As reações que produzem eletricidade ocorrem nos eletrodos.

Cada célula de combustível também tem um eletrólito, que carrega partículas eletricamente carregadas de um eletrodo para o outro, e um catalisador, que acelera as reações nos eletrodos.

O hidrogênio é o combustível básico, mas as células de combustível também requerem oxigênio. Um grande apelo das células de combustível é que elas geram eletricidade com muito pouca poluição - grande parte do hidrogênio e do oxigênio usados ​​na geração de eletricidade acabam por se combinar para formar um subproduto inofensivo, a saber, água.

Um detalhe de terminologia: uma única célula de combustível gera uma pequena quantidade de corrente contínua (DC) eletricidade. Na prática, muitas células de combustível são normalmente montadas numa pilha. Pilha ou pilha, os princípios são os mesmos.


Como funcionam as células de combustível?

A finalidade de uma pilha de combustível é produzir uma corrente elétrica que possa ser dirigida fora da pilha para fazer o trabalho, tal como a alimentação de um motor elétrico ou a iluminação de uma ampola ou de uma cidade. Devido à forma como a eletricidade se comporta, esta corrente retorna à célula de combustível, completando um circuito elétrico. (Para saber mais sobre eletricidade e energia elétrica, visite "Throw The Switch" no site Smithsonian Powering uma Geração de Mudança.) As reações químicas que produzem esta corrente são a chave para como funciona uma célula de combustível.

Existem vários tipos de células de combustível, e cada um opera um pouco diferente. Mas, em termos gerais, átomos de hidrogênio entram em uma célula de combustível no ânodo onde uma reação química os tira de seus elétrons. Os átomos de hidrogênio estão agora "ionizados" e carregam uma carga elétrica positiva. Os elétrons carregados negativamente fornecem a corrente através dos fios para fazer o trabalho. Se for necessária corrente alternada (AC), a saída CC da célula de combustível deve ser encaminhada através de um dispositivo de conversão chamado inversor.


Gráfico por Marc Marshall, Schatz Energy Research Center

O oxigênio entra na célula de combustível no cátodo e, em alguns tipos celulares (como o ilustrado acima), ele combina com os elétrons que retornam do circuito elétrico e íons de hidrogênio que viajaram através do eletrólito do ânodo. Em outros tipos celulares o oxigênio pega elétrons e então viaja através do eletrólito ao ânodo, onde combina com íons do hidrogênio.

O eletrólito desempenha um papel fundamental. Deve permitir que apenas os iões apropriados passem entre o ânodo eo cátodo. Se elétrons livres ou outras substâncias poderiam viajar através do eletrólito, eles iriam interromper a reação química.

Se combinam no ânodo ou no cátodo, junto o hidrogênio e o oxigênio dão forma à água, que drena da pilha. Enquanto uma célula de combustível é fornecida com hidrogênio e oxigênio, ele irá gerar eletricidade.

Ainda melhor, uma vez que as células de combustível criam eletricidade quimicamente, e não por combustão, elas não estão sujeitas às leis termodinâmicas que limitam uma usina convencional (ver "Carnot Limit" no glossário). Portanto, as células de combustível são mais eficientes na extração de energia de um combustível. O calor residual de algumas células também pode ser aproveitado, aumentando ainda mais a eficiência do sistema.


Então por que não posso sair e comprar uma célula de combustível?

O funcionamento básico de uma célula de combustível pode não ser difícil de ilustrar. Mas construir células de combustível baratas, eficientes e confiáveis ​​é um negócio muito mais complicado.

Cientistas e inventores têm projetado muitos tipos e tamanhos diferentes de células de combustível na busca por maior eficiência, e os detalhes técnicos de cada tipo variam. Muitas das escolhas enfrentadas pelos desenvolvedores de células de combustível são restringidas pela escolha do eletrólito. A concepção de eléctrodos, por exemplo, e os materiais utilizados para os fazer dependem do electrólito. Hoje, os principais tipos de eletrólitos são álcali, carbonato fundido, ácido fosfórico, membrana de troca de prótons (PEM) e óxido sólido. Os três primeiros são eletrólitos líquidos; Os dois últimos são sólidos.

O tipo de combustível também depende do eletrólito. Algumas células precisam de hidrogênio puro e, portanto, exigem equipamentos extras, como um "reformador" para purificar o combustível. Outras células podem tolerar algumas impurezas, mas podem precisar de temperaturas mais elevadas para funcionar de forma eficiente. Eletrólitos líquidos circulam em algumas células, o que requer bombas. O tipo de eletrólito também dita a temperatura de operação de uma célula - as células de carbonato "fundidas" funcionam quentes, como o nome indica.

Cada tipo de célula de combustível tem vantagens e desvantagens em comparação com os outros, e nenhum é ainda barato e eficiente o suficiente para substituir amplamente as formas tradicionais de geração de energia, tais como carvão, hidroelétricas, ou mesmo usinas nucleares.

A lista a seguir descreve os cinco principais tipos de células de combustível. Informações mais detalhadas podem ser encontradas nas áreas específicas deste site.


Diferentes tipos de células de combustível.


Desenho de uma célula alcalina.

Pilhas de combustível alcalinas operam em hidrogênio e oxigênio comprimidos. Eles geralmente usam uma solução de hidróxido de potássio (quimicamente, KOH) em água como seu eletrólito. A eficiência é de cerca de 70 por cento, ea temperatura de funcionamento é de 150 a 200 graus C, (cerca de 300 a 400 graus F). A produção de células varia de 300 watts (W) a 5 kilowatts (kW). Células alcalinas foram usadas em espaçonaves Apollo para fornecer electricidade e água potável. Eles requerem combustível com hidrogénio puro, no entanto, e os seus catalisadores de eléctrodo de platina são caros. E como qualquer recipiente cheio de líquido, eles podem vazar.


Desenho de uma célula de carbonato fundido

As células de combustível carbonatadas fundidas (MCFC) usam compostos de alta temperatura de sal (como o sódio ou magnésio) carbonatos (quimicamente, CO 3 ) como o eletrólito. Eficiência varia de 60 a 80 por cento, e temperatura de funcionamento é de cerca de 650 graus C (1.200 graus F). Foram construídas unidades com saída de até 2 megawatts (MW), e existem projetos para unidades de até 100 MW. Os limites de alta temperatura danos de monóxido de carbono "envenenamento" da célula e desperdício de calor pode ser reciclado para fazer electricidade adicional. Seus catalisadores de eletrodo de níquel são baratos em comparação com a platina usada em outras células. Mas a alta temperatura também limita os materiais e os usos seguros de MCFCs - eles provavelmente seriam muito quentes para uso doméstico. Além disso, os íons carbonato do eletrólito são usados ​​nas reações, tornando necessário injetar dióxido de carbono para compensar.

As células de combustível de ácido fosfórico (PAFC) utilizam o ácido fosfórico como o electrólito. A eficiência varia de 40 a 80 por cento, ea temperatura de funcionamento está entre 150 a 200 graus C (cerca de 300 a 400 graus F). As células de ácido fosfórico existentes têm saídas até 200 kW e unidades de 11 MW foram testadas. PAFC tolerar uma concentração de monóxido de carbono de cerca de 1,5 por cento, o que alarga a escolha dos combustíveis que podem usar. Se for usada gasolina, o enxofre deve ser removido. São necessários catalisadores de eléctrodos de platina e as partes internas devem poder suportar o ácido corrosivo.


Desenho de como o ácido fosfórico e pilhas de combustível PEM operam.

As células de combustível de membrana de troca de protões (PEM) funcionam com um electrólito polimérico sob a forma de uma folha fina e permeável. A eficiência é de cerca de 40 a 50 por cento, ea temperatura de funcionamento é de cerca de 80 graus C (cerca de 175 graus F). As saídas de célula geralmente variam de 50 a 250 kW. O eletrólito sólido e flexível não vai vazar ou rachar, e estas células operam a uma temperatura suficientemente baixa para torná-los adequados para casas e carros. Mas seus combustíveis devem ser purificados, e um catalisador de platina é usado em ambos os lados da membrana, aumentando os custos.


Desenho de uma célula de óxido sólido

As células de combustível de óxido sólido (SOFC) usam um composto cerâmico duro de óxidos de metal (como cálcio ou zircónio) (quimicamente, O 2 ) como eletrólito. Eficiência é de cerca de 60 por cento, e as temperaturas de funcionamento são cerca de 1.000 graus C (cerca de 1.800 graus F). A produção de células é de até 100 kW. Em tais altas temperaturas um reformer não é requerido para extrair o hidrogênio do combustível, e o desperdício de calor pode ser reciclado para fazer a eletricidade adicional. No entanto, a alta temperatura limita as aplicações de unidades SOFC e eles tendem a ser bastante grande. Enquanto eletrólitos sólidos não podem vazar, eles podem rachar.

Informações mais detalhadas sobre cada tipo de célula de combustível, incluindo histórias e aplicações atuais, podem ser encontradas em suas partes específicas deste site. Também fornecemos um glossário de termos técnicos - um link é fornecido no topo de cada página de tecnologia.



http://www.hydrogenics.com/technology-resources/hydrogen-technology/fuel-cells/ traduzido pelo google

Pilhas de Combustível

Hidrogénio + Oxigénio = Electricidade + Vapor de Água


Cátodo : O2 + 4H + + 4e - @ 2H2O
Ânodo : 2H 2 �4H + + 4e -
Total : 2H2 + O2 → 2H2O

Uma célula de combustível é um dispositivo que converte energia potencial química (energia armazenada em ligações moleculares) em energia elétrica. Uma célula PEM (Proton Exchange Membrane) utiliza gás hidrogénio (H2) e gás oxigénio (O 2 ) como combustível. Os produtos da reação na célula são água, eletricidade e calor. Esta é uma grande melhoria em relação aos motores de combustão interna, centrais de carvão e centrais nucleares, que produzem subprodutos nocivos.

Uma vez que o O2 está prontamente disponível na atmosfera, só precisamos fornecer a célula de combustível com H 2 que pode vir de um processo de eletrólise (ver Eletrólise Alcalina ou Eletrólise PEM).

Existem quatro elementos básicos de uma célula de combustível PEM:

O ânodo, o poste negativo da célula de combustível, tem vários trabalhos. Conduz os elétrons que são liberados das moléculas do hidrogênio de modo que possam ser usados ​​em um circuito externo. Tem canais gravados nela que dispersam o gás de hidrogênio igualmente sobre a superfície do catalisador.

O cátodo, o borne positivo da pilha de combustível, tem os canais gravados nele que distribuem o oxigênio à superfície do catalizador. Ele também conduz os elétrons de volta do circuito externo para o catalisador, onde eles podem recombinar com os íons de hidrogênio e oxigênio para formar água.

O eletrólito é a membrana de troca de prótons. Este material especialmente tratado, que parece algo como plástico de cozinha comum, apenas conduz íons positivamente carregados. A membrana bloqueia elétrons. Para um PEMFC, a membrana deve ser hidratada para funcionar e permanecer estável.

O catalisador é um material especial que facilita a reação de oxigênio e hidrogênio. É geralmente feito de nanopartículas de platina muito finamente revestido em papel carbono ou pano. O catalisador é rugoso e poroso de modo que a área superficial máxima da platina pode ser exposta ao hidrogénio ou ao oxigénio. O lado revestido com platina do catalisador está voltado para o PEM.



Como o nome sugere, o coração da célula é a membrana de troca de prótons. Ele permite que os prótons passem por ele praticamente desimpedidos, enquanto os elétrons são bloqueados. Assim, quando o H 2 atinge o catalisador e se divide em prótons e elétrons (lembre-se, um próton é o mesmo que um íon H +) os prótons passam diretamente para o lado do cátodo, enquanto os elétrons são forçados a percorrer um circuito externo. Ao longo do caminho eles realizam trabalho útil, como acender uma lâmpada ou dirigir um motor, antes de combinar com os prótons e O 2 do outro lado para produzir água.

Como funciona? Gás hidrogénio pressurizado (H 2 ) que entra na célula de combustível no lado do ânodo. Este gás é forçado através do catalisador pela pressão. Quando uma molécula de H 2 entra em contato com a platina no catalisador, ela se divide em dois íons H + e dois elétrons (e-). Os elétrons são conduzidos através do ânodo, onde eles fazem o seu caminho através do circuito externo (fazendo trabalho útil, como girar um motor) e retornar para o lado do cátodo da célula de combustível.

Enquanto isso, no lado do cátodo da célula de combustível, o gás oxigénio (O2) está a ser forçado através do catalisador, onde forma dois átomos de oxigénio. Cada um desses átomos tem uma forte carga negativa. Esta carga negativa atrai os dois íons H + através da membrana, onde se combinam com um átomo de oxigênio e dois dos elétrons do circuito externo para formar uma molécula de água (H 2 O).

Todas essas reações ocorrem na chamada pilha de células. A especialização também envolve a configuração de um sistema completo em torno do núcleo componente que é a pilha de células.

A pilha será incorporada em um módulo incluindo combustível, água e ar de gestão, hardware de controle de refrigerante e software. Este módulo será então integrado num sistema completo para ser utilizado em diferentes aplicações.

Devido ao alto conteúdo energético do hidrogênio e alta eficiência de células de combustível (55%), esta grande tecnologia pode ser usada em muitas aplicações, como transporte (carros, ônibus, empilhadeiras, etc) e energia de backup para produzir eletricidade durante uma falha do Rede elétrica.

Vantagens da tecnologia:

    Ao converter a energia potencialmente química em energia elétrica, as células de combustível evitam o "gargalo térmico" (conseqüência da 2ª lei da termodinâmica) e, portanto, são mais eficientes do que os motores de combustão, que devem primeiro converter a energia potencial química em calor e Então trabalho mecânico.
    Emissões diretas de um veículo de célula de combustível são apenas água e um pouco de calor. Esta é uma enorme melhoria sobre a litania do motor de combustão interna de gases de efeito estufa.
    As células de combustível não possuem partes móveis. Eles são, portanto, muito mais confiável do que os motores tradicionais.
    O hidrogénio pode ser produzido de uma forma ambientalmente amigável, enquanto a extracção de petróleo e refinação é muito prejudicial.


http://observador.pt/2017/01/04/novo-tucson-fuel-cell-devera-fazer-560-km/
Hyundai
Novo Tucson Fuel Cell deverá fazer 560 km

4/1/2017, 15:27

Com grande parte dos fabricantes a disputarem o "ceptro da autonomia", a Hyundai anuncia que o próximo Tucson a hidrogénio fará até 560 km com um só depósito. Ainda não bate o Honda Clarity.

Depois do lançamento da segunda geração do SUV Tucson nas motorizações mais convencionais, a Hyundai prepara já a apresentação da nova versão do modelo movido a pilha de combustível a hidrogénio, cuja principal novidade, avançam algumas fontes, reside num aumento na autonomia de cerca de 30%. Ou seja, enquanto o modelo ainda em comercialização tem um alcance na ordem dos 426 km, o próximo Hyundai Tucson Fuel Cell deverá vir a fazer cerca de 560 km com um único depósito.

Apesar deste reforço de argumentos, a verdade é que a proposta a hidrogénio da Hyundai continuará com uma autonomia aquém da referência entre veículos com este tipo de combustível, o Honda Clarity, que anuncia a capacidade de fazer até 590 km com um só depósito.

O futuro Hyundai Tucson Fuel Cell tem lançamento previsto para Janeiro de 2018, coincidindo assim com os Jogos Olímpicos de Inverno, que terão lugar na Coreia do Sul. De certa forma, é uma oportunidade única para promover a nova tecnologia de célula de combustível a hidrogénio.

PR NEWSWIRE
Autor Francisco António


http://revistaveiculoseletricos.pt/2012/10/08/hyundai-anuncia-producao-do-ix35-fuel-cell/

08 Out Hyundai anuncia produção do ix35 Fuel Cell
Posted at 09:53h in Apresentações, Automóveis, Fuel-Cell, SABIA QUE   by Veículos Elétricos 0 Comments
0 Likes

A Hyundai vai ser a primeira marca a iniciar a produção em série de veículos com pilha de combustível alimentada a hidrogénio quando lançar no mercado o modelo ix35 Fuel Cell. O construtor sul-coreano vai começar a produzir aquele veículo na sua fábrica de Ulsan em dezembro deste ano que, inicialmente, estará dirigido a frotas de empresas públicas e privadas. A Hyundai tem como objetivo produzir mil unidades até final de 2015.

A Hyundai já assinou acordos com algumas cidades da Dinamarca e da Suécia para distribuir localmente o Hyundai ix35 Fuel Cell às frotas municipais. Para além de 2015, a Hyundai planeia continuar a produção em série limitada do ix35 Fuel Cell, com um objetivo de produção de dez mil unidades.

Construído com tecnologia patenteada, o Hyundai ix35 Fuel Cell é alimentado por hidrogénio. Uma pilha de células de combustível converte o hidrogénio em eletricidade, que alimenta o motor de indução elétrica do veículo. A única emissão gerada pela célula de combustível do Hyundai ix35 é água.

O Hyundai ix35 Fuel Cell apresenta maneabilidade e desempenho semelhante ao ix35 a gasolina. O ix35 com pilha de combustível pode ser atestado com hidrogénio, em apenas alguns minutos. Acelera de zero a 100 km/h em 12,5 segundos, regista uma velocidade máxima de 160 km/h e tem uma autonomia de 588 km sem reabastecimento. A Hyundai escolheu o ix35 (também conhecido como Tucson em alguns mercados) como o primeiro veículo para aplicar a sua tecnologia de pilha de combustível a hidrogénio (Fuel Cell).

Como o hidrogénio pode ser produzido de várias formas e a procura de veículos é limitada, o custo do abastecimento de um veículo de hidrogénio é definido artificialmente e não pelo mercado. Atualmente, o custo na Europa é aproximadamente equivalente a 10 euros por 100 km percorridos. Um ix35 de pilha de combustível completamente carregado, leva cerca de 5,6 kg de hidrogénio e pode percorrer 588 km, o que significa um custo de cerca de 58 euros. O Hyundai ix35 Fuel Cell está equipado com a tecnologia stop/start, que desliga a pilha de combustível e conta com a bateria apenas quando o veículo está parado, minimizando as perdas de energia na condução na cidade.
Por Carlos Moura


http://revistaveiculoseletricos.pt/2015/10/27/honda-apresenta-clarity-fuel-cell-em-toquio/

27 Out Honda apresenta Clarity Fuel Cell em Tóquio
Posted at 09:49h in Automóveis, CARGA RÁPIDA, Fuel-Cell   by Veículos Elétricos 0 Comments
0 Likes

A Honda revelou ao público no Salão de Tóquio a nova geração do seu veículo a células de combustível, o Clarity Fuel Cell, que oferece uma autonomia até 700 quilómetros. Trata-se de um automóvel de quatro portas, com carroçaria sedan, que possui a motorização e as células de combustível alojadas no espaço por baixo do capot.

Este novo modelo da Honda vem ainda equipado com baterias de iões de lítio para armazenar a energia elétrica recuperada através do sistema de regeneração da energia cinética nas fases de desaceleração e travagem.

Clarity

A célula de combustível do novo Clarity Fuel Cell é mais compacta do que da geração anterior, com uma redução de 33 por cento, e mais potente. O motor elétrico também viu a potência máxima aumentar para 130 kW (170 cv) e a densidade da potência subiu em 60 por cento, para 3,1kW/L.

O Clarity Fuel Cell dispõe de um depósito de alta pressão com capacidade para armazenar hidrogénio a 70 MPa, aumentando a massa de hidrogénio armazenada e a autonomia do veículo, que pode chegar aos 700 quilómetros. A operação de enchimento do depósito demora cerca de três minutos.

O motor elétrico foi concebido para utilizar a energia de elevada potência da pilha de célula de combustível e do conjunto das baterias de iões de lítio, acionando as rodas motrizes. O Clarity Fuel Cell oferece dois modos de condução: Normal, com equilíbrio entre economia e performance; e Sport, que dá prioridade às acelerações.

O Clarity Fuel Cell vai ser lançado no Japão no início de 2016, estando prevista a sua comercialização em alguns mercados europeus também no próximo ano. A Honda é uma das cinco marcas de automóveis que compõem o consórcio HyFive e irá fornecer veículos que farão parte de uma frota europeia constituída por 110 unidades fuel cell, cujo objetivo é dar a conhecer esta tecnologia, promover o seu desenvolvimento, a sua utilização e viabilidade.


http://observador.pt/2016/06/19/as-fuel-cells-nao-funcionam-da-lhes-alcool/

As “fuel cells” não funcionam? Dá-lhes álcool
19/6/2016, 8:15

São apontadas há anos como o futuro dos carros eléctricos. Mas até agora nada de “fuel cells”. A Nissan acredita ter a receita e passa por recorrer ao álcool. Etílico, produzido a partir de biomassa.

Os especialistas indicam, há mais de uma dezena de anos, que as “fuel cells” (células de combustível, ou CC) são a solução para as limitações dos automóveis eléctricos em matéria de autonomia. Em vez de carregar baterias dentro do carro, pesadas e dispendiosas e que para cúmulo limitam a distância a percorrer – agora cerca de 200 km, valor que deverá duplicar até final de 2016 à custa de baterias ainda maiores –, a ideia sempre foi que os veículos transportariam a sua própria central eléctrica, gerando a energia que iria alimentar o motor. A solução parece milagrosa, mas nunca funcionou.

Até aqui, a generalidade dos construtores trabalhou no sentido de produzir electricidade nas CC a partir do hidrogénio, que seria alojado num depósito dentro do veículo. O raciocínio passava por juntar o hidrogénio ao oxigénio, presente na atmosfera, de forma a gerar água, numa operação inversa da electrólise. É que se a electrólise consome energia, já a operação contrária, a decorrer dentro das CC, gera electricidade. Esta seria depois momentaneamente armazenada em pequenas baterias, mais leves e baratas, por serem em menor quantidade. A teoria estava perfeita. Só faltava mesmo colocá-la em prática.

Problemas houve vários. As membranas que separam o hidrogénio do oxigénio dentro das CC sempre foram mais difíceis de produzir em série do que o esperado, mas o principal óbice foi a falta de uma rede de distribuição de hidrogénio eficaz, como a que existe para a gasolina, gasóleo ou mesmo o GPL. Este tem sido o calcanhar de Aquiles das CC. E é precisamente isto que a Nissan quer ultrapassar com a produção a bordo de hidrogénio, produzido a partir de bioetanol – etanol ou álcool etílico, conseguido através de biomassa.



O construtor japonês anunciou que se encontra a desenvolver um novo sistema de células de combustível alimentado a bioetanol, o primeiro do género destinado à indústria automóvel. O esquema adoptado pela marca japonesa destaca-se por recorrer a uma célula de combustível SOFC (“solid oxide fuel cell”) como fonte energética, o que lhe garantirá uma elevada eficiência, assim como uma autonomia de utilização similar à de um moderno automóvel com motor de combustão (mais de 600 km).

A SOFC gera a electricidade necessária para alimentar o motor eléctrico do veículo através da habitual recção electroquímica entre o hidrogénio e o oxigénio. Até aqui, nada de novo. A diferença face aos mais recentes sistemas do género reside no facto de o hidrogénio não estar armazenado a bordo em dispendiosos depósitos de fibra de carbono, que garantam a segurança de um gás altamente inflamável quando sob altas pressões. Antes é produzido através de um reformador a partir do bioetanol contido no depósito de combustível do veículo.

Ressalvando que continua a trabalhar afincadamente em todas as soluções destinadas a garantir a mobilidade no futuro, a Nissan sublinha serem ainda vantagens deste sistema, face a outros similares já existentes, a sua maior compatibilidade ambiental e a existência de uma infra-estrutura de distribuição e abastecimento de bioetanol (principalmente o produzido a partir de milho e de cana de açúcar) capaz de garantir a sua implementação no curto prazo.



Faltou o link do site da hyundai portugal ;) - http://www.hyundai.pt/pt/catalogo/suv-s/ix35-fuel-cell/

Mas comercializar um veiculo que não tem combustível à venda, vais ser complicado :|
« Última modificação: 27 de Janeiro de 2017, 14:17 pm por Tony da Buzina »

Offline jotaagá

  • 1.5 DCi
  • *
  • Localidade: quinta do conde
  • Mensagens: 370
  • Captur dci110
Re: Hidrogenio (fuel cells) será o combustivel do futuro??
« Responder #1 em: 27 de Janeiro de 2017, 17:57 pm »
Boas

1º que tudo; parabens, excelente tópico, bastante completo.

2º Como se calhar já leste escrito por mim em outro tópico estamos completamente nas mãos dos produtores automóveis pois ainda nem se falava nos carros "a baterias" já havi, há mais de 1 década, carros a circular à base de fuel cell ou pilha de combustivel (também assim são chamados).

Ainda o seculo não tinha virado (anos 90) e na alemanha a ford possuia carros a andar diáriamente a pilha de combustivel.

A própria wikipedia para não me estender mais que realmente este é um assunto bonito, interessante e sobretudo revelador dos interesses instituidos, sugiro uma vista de olhos a;
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_fuel_cell_vehicles

Olhar para os anos e para as marcas e...  "assustamo-nos" e o que vemos?

Na minha opinião aquilo que já afirmei, estamos nas mãos destes grandes srs, dos seus interesses comerciais e agendas pessoais e isto do carro "a baterias" mais não é que um intermédio para ganhar dinheiro e mesmo as baterias; há um chinês que reclama ter inventado uma bateria com 20 anos de durabilidade e de custo similar às atuais.

Há um iraquiano que tem um peugeot 406 a andar a... água
http://www.tvi24.iol.pt/motores/tecnologia/iraniano-inventou-carro-que-anda-a-agua

E assim de repente lembro-me duma historia era eu meninno de um tuga ter posto um carro a andar a agua e os gajos do petroleo mataram-no (conversas ouvidas por um miudo, será que foram assim conversas tão descabidas?).

Cumprimentos, mais uma vez parabens!