Autor Tópico: As histórias de 6 Renault F1 que marcaram a história da F1!  (Lida 1471 vezes)

Offline MauroTM

  • Initiale Paris
  • 1.6 TCe
  • *
  • Utilizador: MauroxD
  • Mensagens: 1696
As histórias de 6 Renault F1 que marcaram a história da F1!
« em: 24 de Outubro de 2016, 11:07 am »
Fonte: http://renaultportugal.tumblr.com/post/152127703596/as-est%C3%B3rias-de-6-renault-f1-que-marcaram-a



Os Renault F1 que a Renault trouxe para o Circuito do Estoril seriam capazes de preencher um quarto de uma grelha de partida. Sim, nada mais, nada menos, do que seis monolugares! Modelos incontornáveis da história da F1 e que ainda hoje estão na memória de diferentes gerações. Fique a saber um pouco mais sobre cada um nas linhas que se seguem. Mas, acima de tudo, este fim-de-semana, não perca a oportunidade de os ver ao vivo e de sentir as vibrações de alguns deles em pista. Estamos à sua espera. Mais informações sobre o fim-de-semana em goo.gl/flFk9z



O Renault F1 R.S. 01

No princípio dos anos 70, a “Renault Gordini”, com o suporte técnico da “Renault Moteurs” e o apoio financeiro da petrolífera Elf, lançou “um programa para um motor de alta performance” e desenvolveu um motor V6 Turbo. Um bloco que, inicialmente, é utilizado nos protótipos Renault-Alpine e, depois, na Fórmula 1.

Após a vitória nas 24 Horas de Le Mans de 1978 com o Renault-Alpine A 442 B, a equipa Renault Sport concentra-se totalmente na Fórmula 1. Em 1977, monta no chassis RS 01 desenvolvido pela marca, um motor sobrealimentado com metade da cilindrada dos motores atmosféricos. Apesar da desvantagem, a equipa Renault aceita o desafio e faz a sua aprendizagem em 1977 e em 1978, ano em que conquista um 4.º lugar no GP dos EUA, através de Jean-Pierre Jabouille.



Modelo no Circuito do Estoril: F1 RS 01 - 04

Ano: 1978

Motor: 6 cilindros em V turbocomprimido; 1492 cm3 – 525 cv; às 10 500 rpm

Transmissão: Às rodas traseiras e Caixa de 5 velocidades + MA

Travões: Discos ventilados nas quatro rodas

Dimensões: Comprimento: 4,50 m e Largura: 2,00 m

Peso: 600 kg

Velocidade máxima: +/- 300 km/h





O Renault F1 RS 14

O dia 16 de julho de 1977 não foi apenas o da estreia oficial da Renault na F1, mas também a de um motor turbo. Mas dois anos depois desse acontecimento histórico, no GP da Grã-Bretanha (Silverstone), a rendição até dos mais céticos…

A 1 de julho de 1979, no GP de França, disputado no circuito de Dijon, Jean-Pierre Jabouille, a bordo do RS 11, faz a “pole position” e ganha a corrida. Enquanto isso, o seu companheiro de equipa, René Arnoux, num RS 12, obtém o recorde da volta e conquista o terceiro lugar, depois de um dos mais notáveis e memoráveis duelos da história da F1 com o Ferrari de Gilles Villeneuve.

É a primeira vez que um construtor generalista se impõe aos construtores especializados em monolugares de competição.

Modelo em exposição no Circuito do Estoril: RS 14

Ano: 1979

Motor: 6 cilindros em V em posição central e 1492 cm3 - 520 cv

Transmissão: Às rodas traseiras, com Caixa de 5 velocidades + MA

Travões: Discos ventilados nas quatro rodas

Dimensões: Comprimento: 4,70 m e Largura: 2,23 m

Peso: 560 kg

Velocidade máxima: 310 km/h





O Renault RE 27B

No início da época de 1981, René Arnoux e, o seu novo companheiro de equipa Alain Prost, têm de recorrer ao "RE 20B". O “RE 30” está em fase de desenvolvimento na fábrica da Renault Sport de Viry-Châtillon e só estará disponível a partir do Grande Prémio da Bélgica.

Mas no GP da Argentina, terceira prova do calendário, a Renault resolve colocar à disposição de René Arnoux, um modelo intermédio: o Renault F11 RE 27B. Na qualificação, o francês conquista o 5º melhor tempo e, na corrida, conquista posição idêntica. Enquanto isso, o jovem colega de equipa, Alain Prost, sobe ao pódio pela primeira vez!

Um excelente desempenho para os monolugares amarelos e pretos equipados com “saias fixas”. 

Modelo em exposição no Circuito do Estoril: RE 27B

Ano: 1981

Motor: Renault Gordini  EF1; 6 cilindros em V - 4 válvulas por cilindro; Sobrealimentado por 2 compressores, com 1492 cm3 e 520 cv às 10 500 rpm

Transmissão: Caixa de 5 relações + MA

Travões: Discos ventilados nas quatro rodas

Dimensões: Comprimento: 4,80 m; Largura: 2,23 m

Peso: 560 kg

Velocidade máxima: + de 300 km/h





O Renault F1 RE 40

Com o RE40, a Renault nunca esteve tão perto da vitória no Campeonato do Mundo de F1 e, 1983, continua a ser para a marca a melhor temporada dos anos turbo.

Depois da estreia em 1977, o revolucionário e inovador motor Renault Turbo foi evoluindo, assim como o chassis. A vitória de Jean-Pierre Jabouille no GP de França de 1979 confirmou a incontestável solidez da tecnologia turbo nos motores.

Em 1983, o RE 40 é o primeiro Renault F1 com estrutura em material compósito e com motor de injeção de água. Um monolugar simultaneamente belo e eficaz.

Ao volante deste monolugar, Alain Prost soma quatro vitórias e ainda sobe ao pódio em mais três ocasiões. A Renault luta pelo título mundial, mas acaba por deixá-lo fugir por um fio… Paralelamente, a Renault torna-se fornecedora de motores, equipando, com o seu V6 turbo, a famosa equipa Lotus.



Modelo em exposição: F1 RE 40

Ano: 1983

Motor: 6 cilindros em V, 1492 cm3, 750 cv

Transmissão: Às rodas traseiras, com Caixa de 5 velocidades

Dimensões: Comprimento: 4,40 m; Largura: 2,14 m

Peso: 595 kg

Velocidade máxima: + de 300 km/h





O Renault F1 RE 60

Para a temporada 1985 da F1, o novo motor tipo EF 15, que alia performance e consumos reduzidos, equipa os novos chassis, tipo RE 60, concebidos em Viry-Châtillon.

Para multiplicar as possibilidades de vitória e receber os financiamentos necessários aos dispendiosos desenvolvimentos do motor turbo, foram assinados acordos com outras equipas, particularmente com a equipa Lotus que contrata o prodígio Ayrton Senna para correr ao lado do rápido italiano Elio de Angelis.

No final da temporada, enquanto os pilotos da Renault, Patrick Tambay e Derek Warwick, tiveram de se contentar com alguns lugares de honra, Ayrton Senna conquistou duas vitórias nos GP de Portugal e da Bélgica e conquistou a “pole position” por sete vezes!

Piloto revelação do ano, Ayrton Senna, termina o Campeonato do Mundo em 4.º lugar.

Modelo em exposição: Renault F1 RE60

Ano: 1985

Motor: V6 turbocomprimido; 1492 cm3 - 700 cv

Transmissão: Às rodas traseiras, com Caixa de 6 velocidades + MA

Travões: Discos de carbono ventilados nas quatro rodas

Dimensões: Comprimento: 4,40 m; Largura: 2,14 m

Peso: 520 kg

Velocidade máxima: + 300 km/h





O Renault R26

Em 2006, a Renault tem como meta reeditar as proezas de Fernando Alonso e do seu Renault F1 R25 em 2005, com um novo regulamento que exigia a utilização de um motor V8.

Na temporada de 2006, a equipa “Renault F1“, comandada por Flavio Briatore, tinha como pilotos o espanhol Fernando Alonso, Campeão do Mundo em título, e o italiano Giancarlo Fisichella. O início da temporada foi magnífico para a Renault: Alonso obteve 6 vitórias, 3 segundos lugares e 5 “pole positions”, enquanto Fisichella, por seu lado, conquistou 1 vitória, 1 terceiro lugar e 1 pole position.

Michael Schumacher e a Ferrari mantiveram-se firmes e a luta pelo título foi renhida. Mas com mais 1 vitória e 4 segundos lugares no seu palmarés, Alonso venceu em toda a linha, conquistando para si o título de pilotos e para a Renault o título de construtores. Giancarlo Fisichella, por sua vez, conquistou o quarto lugar no Campeonato do Mundo de Pilotos. Com este fantástico resultado, a Renault pôde, legitimamente, afirmar estar no "top of the World of F1”.

Modelo em exposição no Circuito do Estoril: Renault R26

Ano: 2006

Motor: Renault RS26, V8 em posição central, 2400 cm3, 800 cv

Transmissão: Às rodas traseiras, com Caixa semiautomática, 7 relações

Dimensões: Comprimento: 4,80 m; Largura: 1,80 m

Peso: 610 kg

Velocidade máxima: + de 300 km/h
Renault Clio II 1.2 8v RT 99' - https://goo.gl/TEX8Ap  Renault Clio III 1.2 TCe 101cv - https://goo.gl/VXjCfn
Peugeot 308 II 1.6 BlueHDI 120cv - https://goo.gl/V9gjkN